Feeds:
Posts
Comentários

Archive for 19 de setembro de 2007

brazil-lower-middle-class.gifHouve um tempo, nas conversas da esquerda neste país, em que se maldizia a alienação da classe média (aliás, palavrinha que desapareceu essa, alienação…). Era com se fosse o atraso, a contraposição anti-revolucionária do individualismo à tendência coletivizante dos sonhos socialistas. Mais ainda quando se associava a esses o pensamento sindical, que se estratificou num partido (o PT) e hoje se encastelou no poder (pesquisa da FGV demonstra que 45% dos mais altos cargos do Governo Lula estão nas mãos de sindicalizados)

Pois não é que o PT desdemonizou a classe média? Numa visão utilitarista (serve aos argumentos do crescimento nunca-antes-na-história-deste-país? então pega, depois joga fora), surge no discurso oficial, de repente não mais que de repente, a “nova classe média” (ver apresentação do ministro Mantega aqui). Isso depois que a The Economist teceu loas à boa notícia de que esse segmento vinha ganhando maior participação na sociedade latino-americana (ver gráfico, caso do Brasil). Na realidade, um outro tipo de classe média, não a mesma dos anos 80, 90, que foi perdendo poder aquisitivo, mas uma nova classe média “from the bottom up”. A classe C cresceu, começou a comprar computador, a trocar a geladeira por outra mais sofisticada, a usar a internet.

Enquanto esse novo personagem entra no gráfico de barras dos economistas, é uma coisa (os economistas do ministério da Fazenda fizeram uns bem bonitinhos pro ministro). Outra bem diferente é quando entra na análise dos sociólogos e cientistas políticos. Ai é que está o nó: o que vão pensar e como vão agir esses novos usuários da informação (atenção!) é que são elas (e eles).

A minha aposta é num reencontro muito interessante: de um lado, a “velha” classe média cansada de guerra, de safadeza, de corrução no governo, desencantada com o voto que deu ao PT “sem medo de ser feliz”; de outro, os “novos-ricos” da informação, a ex-futura classe operária que não foi ao paraíso nem freqüentou os sindicatos, os recém-apaixonados pelo orkut, pelo correio eletrônico, pelos chats, os usuários das redes sociais na internet. Uma entrevista muito interessante no Estadão, do cientista político Amaury de Souza, trata disso, mesmo que de forma breve, mas muito criativa. Não por acaso é um carioca.

Definitivamente, estamos precisando de mais cientistas sociais cariocas do que de economistas paulistas (que vergonha, Mercadante…) para interpretar essa nova realidade emergente no Brasil. Que bom que venha do Rio de Janeiro uma voz que se contrapõe ao bonapartismo sindical paulista no poder.

Anúncios

Read Full Post »